Governo estimula o Parto Normal

O Brasil é atualmente campeão mundial em número de cesárias. Atualmente 52% de todos os partos no Brasil são cesárias e quando observada somente a rede privada este número chega a 85%. Em países europeus esta marca não ultrapassa os 20%e nos EUA atinge 30%. Analisando a contribuição que a rede privada tem no aumento nas estatísticas nacionais o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicaram uma resolução que estabelece normas para o estímulo ao parto normal e a consequente diminuição das cesarianas desnecessárias na saúde suplementar. As operadoras terão 180 dias para se adaptar às mudanças. As novas regras ampliam o acesso à informação, já que as usuárias poderão solicitar aos planos os percentuais de cirurgias cesarianas e de partos normais por estabelecimento de saúde e por médico obstetra. As informações deverão estar disponíveis no prazo máximo de 15 dias, contados a partir da data de solicitação. Em caso de descumprimento, será aplicada multa no valor de R$ 25 mil. Outra norma prevê a obrigatoriedade de fornecimento do cartão da gestante, no qual deve constar o registro de todo o pré-natal. Dessa forma, de posse do documento, qualquer profissional de saúde terá conhecimento de como se deu a gestação, facilitando o atendimento à mulher quando ela entrar em trabalho de parto. O cartão deverá conter a carta de informação à gestante, com orientações para que a mulher tenha subsídios para tomar decisões e vivenciar com tranquilidade o parto. Independente destas medidas a escolha do parto na saúde suplementar ainda é feita em comum acordo entre médico e paciente. As medidas propostas pela ANS e MS possibilitam que a parturiente entenda sua escolha baseando se em informações importantes para sua saúde e de seu filho.